Ebook

"Investir em conhecimento rende sempre os melhores juros." Benjamin Franklin

A página tem como principal objetivo promover a educação financeira no Brasil, focando em investimentos de renda fixa e variável. Conheça nosso Facebook


Quais classes de ativos nós trabalhamos?

  • Mercado de Ações
  • Fundos de Investimento Imobiliário
  • Títulos de Renda Fixa

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

// // Leave a Comment

Fato Relevante - JS Real Estate Multigestão FII (JRSE11)

Passados 4 anos desde o termino da sua construção, o WTorre Nações Unidas - III recebe a classificação Buildings AA (double A).

O Banco J. Safra S.A., na qualidade de administrador do JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário, por meio de fato relevante, comunica que celebrou em caráter irrevogável com a BRE/Alpha Multiestratégia - Fundo de Investimento em Participações Investimento no Exterior ("BRE - Alpha FIP"), veículo de investimento do Blackstone Group, nesta data, contrato de aquisição de 100% das cotas do BRE Ponte II Empreendimentos e Participações S.A. ("BRE Ponte II"), proprietária de unidades autônomas que constituem aproximadamente 64,3% do "Edifício WTNU III" (15.867 m² de área bruta locável), localizado na Rua Eugênio Medeiros, n° 303, na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo.

O valor da referida aquisição será de R$ 253.872.000,00, incluindo neste valor o saldo de dívida da BRE Ponte II.

A conclusão da aquisição das referidas cotas de propriedade do BRE/Alpha FIP está sujeita, entre outras condições usuais em negócios dessa natureza, ao não exercício do direito de preferência indireto do locatário. 

O edifício possui um total de 17 andares com lajes a partir de 520 m² e conta com 9 elevadores sociais.

O WTorre Nações Unidas - III possui ar-condicionado Central, certificação green building e um total de 857 vagas de estacionamento.

Fontes: Plantão Bovespa e Acesse Buildings
Read More

quarta-feira, 5 de julho de 2017

// // Leave a Comment

Melhore o seu jeito de investir. 18 Lições valiosas de Warren Buffett


1.

"Recomendar a conservação de alguma coisa por 30 anos é um nível de auto-sacrifício que você raramente verá num mosteiro, menos ainda numa corretora."

O seu corretor morreria de fome se fosse adotar a estratégia de Warren de comprar e conservar. Não é que os corretores não acreditem que ela criará riqueza; o problema é que ela não criará riqueza nenhuma riqueza para o seu corretor.

Todo o dinheiro que ganham é com comissões que recebem fazendo você trocar de ações. Quanto mais você compra e vende, mais dinheiro eles ganham, e eles sempre parecem ter um bom motivo para fazer você comprar algo e se desfazer de algo diferente.

Se seu corretor tem mais de uma grande ideia por ano, as chances são altas de que esteja delirando. Se o seu corretor quer convencê-lo a desfazer-se de uma posição em que o colocou no mês passado, porque as condições do mercado mudaram, talvez ele esteja mais do que delirando - talvez seja simplesmente desonesto.

2.

"Se você se permite a indisciplina nas coisas pequenas, provavelmente será indisciplinado nas coisas grandes também." 

Warren descobriu que as pessoas costumam abrir exceções a uma estratégia de investimentos disciplinada quando estão fazendo investimentos pequenos, e que essa conduta muitas vezes leva ao relaxamento de uma abordagem disciplinada.

A disciplina é a chave do sucesso no jogo do investimento - assim como é a chave do sucesso em grande parte da vida. Warren acredita tanto em uma abordagem disciplinada que recusou uma aposta de golfe de dois dólares porque as chances estavam contra ele.

Ele admite com franqueza que no campo de golfe as chances têm a tendência de ficar contra ele. No mundo de Warren, as pequenas coisas realmente importam.

3.

"A coisa mais importante a se fazer se você está num buraco é parar de cavar."

Se você acha que investiu mal, a pior coisa do mundo é continuar pondo dinheiro nesse investimento. Embora seja doloroso sair, no fim das contas será muito mais vantajoso abandonar a festa e limitar os prejuízos antes que tudo esteja perdido.

No início da década de 1980, Warren investiu pesado na indústria de alumínio. Foi um erro, e quando percebeu isso ele parou de cavar e caiu fora. Tenha coragem de admitir que você está errado - e faça-o antes que o destino lhe segrede que você acabou de ir a falência.

Nessa o Buffett colocou um pouco de terror mas é uma das lições mais importantes na bolsa, assumir seus erros e não se punir, afinal de contas isso ocorrerá. Só a diversificação salva das grande perdas.

4.

"Existe uma diferença grande entre a empresa que cresce e requer montanhas de capital para isso e a empresa que cresce e não requer capital."

Esse é o grande segredo da estratégia de Warren de comprar e conservar para sempre. Se você compra e conserva ações de uma empresa que requer montanhas de capital para crescer, o valor das ações nunca aumentará. O motivo é o dreno constante de capital necessário para evitar que a empresa afunde diante da concorrência.

Se você precisa gastar bilhões reprojetando seu mix de produtos a cada cinco anos, esses são bilhões que não podem ser gastos expandindo as operações ou comprando empresas novas ou recomprando as próprias ações. Mas uma empresa capaz de crescer sem infusões novas de capital pode se dar ao luxo de gastar seu excesso de dinheiro dessa forma, aumentando o lucro por ação da empresa, o que fará o preço da ação aumentar. É por isso que Warren tem preferência por empresas como Wrigley e Coca-Cola sobre GM ou Intel.

Como empresas como Wrigley e Coca-Cola nunca precisam gastar bilhões reprojetando seus produtos ou readaptando suas fábricas, sobra bastante dinheiro para gastar em algo divertido como recomprar as próprias ações. GM e Intel, por outro lado, precisam gastar constantemente bilhões em projetos novos e readaptação. Se qualquer uma delas parasse de gastar bilhões em projetos novos ou readaptação, seria derrubada pela concorrência. Se uma empresa precisa de montanhas de capital para crescer, nunca tonará você rico, e se não precisa de montanhas de capital para crescer, jamais deixará você pobre.

Excelente lição de Warren, pode anotar aí.

5.

"Aquilo que não vale a pena fazer de jeito nenhum não vale a pena fazer bem."

Muitas pessoas passam anos dando duro em empresas com fundamentos econômicos ruins, o que significa que as perspectivas de ganhar dinheiro são igualmente ruins. Portanto, por que se esmerar em algo que não vai beneficiá-lo? Por que aprender a ser bom numa empresa com fundamentos econômicos fracos, que jamais lhe renderá nenhum dinheiro?

Se você se vê navegando num navio empresarial com destino incerto, deve abandonar o navio e descobrir outro que tenha por destino os mares da felicidade - em vez de tentar se tornar capitão de um barco lerdo rumo a um fim no mundo financeiro.

Essa foi a experiência de Warren com a empresa têxtil da Berkshire. Por melhor que se tornasse, por mais inovações que implementassem, ou por mais capital que se injetasse, os resultados eram sempre os mesmos: seus concorrentes conseguiam produzir têxteis mais baratos no exterior do que ela conseguia no Estados Unidos. Tornou-se um negócio que não valia a pena explorar e, como disse Warren, infelizmente teve que ser fechada.

6.

"Não será a economia que derrubará os investidores, serão os próprios investidores."

Serão os investidores pulando de uma ação para outra, pagando preços exorbitantes por ações de empresas sem a menor condição de sustentar esses preços com lucros reais. Será o dreno constante dos custos de transação que supostos administradores de investimentos cobram de seus clientes em nome de ajudá-los a enriquecer. Será a relutância dos investidores em fazer o dever de casa sobre as empresas em que estão investindo, o que significa que comprarão cegamente papéis com base na popularidade e não nos fundamentos.

Será o prazer do dinheiro fácil e instantâneo trazido pela especulação, o que fará com que apostem somas cada vez maiores até correrem risco financeiro. Será o pânico dos investidores porque todos os outros estão deixando a festa na frente deles, o que fará com que desovem suas ações a preços ridiculamente baixos.

Será o envolvimento emocional com os investimentos, em vez de vê-los racionalmente como a compra de participações fracionárias em empresas. Será a busca imediatista de lucros rápidos, cegando-os para fundamentos econômicos de longo prazo das empresas. São esses fatores que derrubarão os investidores, não uma mudança no PIB ou no índice de preços ao consumidor, ou a elevação das taxas de juros em 0,25% pelo Fed.

7.

"Fiz meu primeiro investimento aos 11 anos. Eu vinha desperdiçando a minha vida até então."

É bom descobrir sua vocação bem cedo na vida, e no campo dos investimentos isso proporciona oportunidades inigualáveis de pôr em ação a magia dos rendimentos financeiros compostos. A hora de correr riscos é quando se é jovem, com tanto tempo pela frente para lucrar com decisões sensatas.

As ações que Warren comprou aos 11 anos eram de uma companhia petrolífera chamada City Services. Ele comprou três ações a US$ 38 cada uma, apenas para vê-las cair para US$ 27. Não se desesperou e, depois que elas se recuperaram, vendeu-as a US$ 40 a ação. Pouco depois, o valor de cada ação disparou para US$ 200 e ele aprendeu sua primeira lição em investimentos: paciência. Boas coisas acontecem para quem espera - desde que você escolha a ação certa.

Bela lição de Buffett, paciência é a chave da vitória.

8.

"Se os princípios se tornam ultrapassados não são mais princípios."

Warren acordou certa manhã e descobriu que os princípios de investimento que aprendera com seu professor Graham tinham deixado de ser úteis. Graham defendia a compra de empresas baratas, independentemente dos fundamentos econômicos. Essa estratégia funcionou bem nas décadas de 1940 e 1950, mas foi perdendo a eficácia à medida que um grupo maior de investidores começou a praticar esse tipo de investimento - foi ficando cada vez mais difícil encontrar os ovos de ouro.

Em vez de permanecer nessa rota, Warren abandonou o navio e adotou a filosofia de investir em empresas excepcionais com uma vantagem durável. Um excelente exemplo disso foi o seu investimento na Coca-Cola, por cujas ações Warren pagou cerca de 20 vezes o lucro por ação. O velho Warren jamais teria feito tal investimento, porque as técnicas de avaliação de Graham o teriam considerado caro demais. Mas para o novo Warren tratava-se de um preço mais do que justo, que o recompensou na casa dos bilhões. Às vezes é bom para um leopardo mudar a forma de suas marchas.

9. 

"São precisos 20 anos para construir uma reputação e cinco minutos para perdê-la. Se você pensar nisso, fará as coisas de uma forma diferente."

Basta um ato insensato para que as notícias ruins na imprensa destruam uma boa reputação que levou uma vida para ser construída. Melhor não fazer algo que você sabe que está errado, porque, se você for pego, o preço que pagará poderá estar acima de suas possibilidades. Essa é uma crença que Buffett sussurra aos ouvidos de seus filhos desde que eram bebês.

Quando o escândalo contábil derrubou a gigante dos seguros AIG, Buffett disse aos seus gerentes: "A investigação atual do setor segurador rassalta o imperativo da mensagem que envio regularmente a vocês no meu memorando semestral: a Berkshire pode se dar ao luxo de perder dinheiro, até montes de dinheiro; mas não pode se dar ao luxo de perder a reputação, nem mesmo um pouquinho. É a longo prazo obteremos a reputação que merecemos. Dá para ganhar bastante dinheiro no centro do campo. Não há necessidade de ficar jogando pelas pontas.

Wall Street está espinhada de gigantes caídos que deixaram a ganância prejudicar seu juízo e não seguiram esse conselho.

10.

"Numa empresa em dificuldade tão logo um problema é resolvido, outro vem à tona. Nunca existe só uma barata na cozinha." 

Uma empresa com maus fundamentos econômicos é um barco lento para lugar nenhum, constituindo um péssimo investimento a longo prazo. A natureza intensamente competitiva dos negócios fará com que ela sofra de margens baixas nas vendas e tenha uma necessidade constante de modernizar a fábrica para permanecer competitiva. Se seus produtos precisam viver mudando para permanecerem competitivos, existe o problema adicional de financiar a pesquisa e o desenvolvimento. Por exemplo, se uma montadora de automóveis decide mudar sua linha de produtos, terá que gastar bilhões em readaptação. Um palpite errado pode causar a falência da operação inteira.

Tudo isso drena capital que poderia ser gasto para aumentar os lucros, seja expandindo as operações, comprando empresas novas ou recomprando as próprias ações. Essas crises constantes de margens e lucros baixos implicam uma eterna batalha com os custos, e se você acrescentar a concorrência da mão-de-obra estrangeira poderá descobrir numa empresa que não é mais viável em sua forma atual. No jogo do investimento a longo prazo, esses são tipos de empresas das quais é melhor se manter afastado. Warren as evita como uma peste, mesmo que o mercado de ações as esteja fornecendo de graça.

Passagem espetacular recomendada para quem deseja entender sobre os cases de empresas e principalmente como lidar com as empresas de fundamentos frágeis.

11.

"Nós não temos, nunca tivemos e jamais teremos uma opinião sobre como estará o mercado de ações, a taxa de juros ou a atividade econômica daqui um ano."  

Imagine ser capaz de ganhar bilhões no mercado de ações e não ter uma opinião sobre esse mercado ou as taxas de juros. Como Warren consegue essa proeza? Ele consegue porque todas as outras pessoas estão preocupadas com as oscilações do mercado de ações e com a tendência dos juros no próximo ano, o que significa que acabam fazendo besteira, como vender ações de uma empresa com ótimos fundamentos econômicos de longo prazo só porque o Fed poderá elevar as taxas de juros em 0,25%. E quando esses investidores impressionáveis vendem ótimas empresas por algum motivo fútil, Warren está à espreita para comprá-las; e uma vez que ponha as mãos nelas não as larga tão cedo.

Portanto, se quiser se tornar super-rico, ignore toda a boataria sobre como anda ou andará o mercado de ações, esqueça o Fed e as taxas de juros, e concentre-se em avaliar o valor econômico de longo prazo de empresas com uma vantagem competitiva duradoura.

12. 

"Quando as ideias falham, as palavras vêm para salvar a situação."

Isso é Buffett citando Goethe, e o que ele quer dizer é que, quando sua grande ideia desmorona e você perde a empresa, recorrerá às palavras para fabricar uma boa desculpa a fim de não parecer incompetente. No mundo dos CEOs, existe uma busca incessante por boas desculpas para mitigar a raiva de acionistas indignados com as más decisões administrativas. Ao não assumir a culpa, estão essencialmente dizendo que a responsabilidade não é deles.

Se não é do CEO, então ele não é realmente nosso líder, confere? Se ele não é nosso líder, por que não procuramos alguém com a capacidade de liderança para gerir nossa empresa? É a nossa empresa, não é? Somos os donos, certo? Warren nunca esqueceu que os acionistas da Berkshire são donos da empresa que ele dirige. Por isso ele é sempre franco, não apenas com as boas notícias, mas também com as más.

Cabe a reflexão...

13.

"Apreciamos o processo bem mais do que o dinheiro."

Pessoas apaixonadas por seus trabalhos passarão a dominar seu ofício ou profissão, porque amam o processo mais do que o dinheiro. O interessante da paixão é que o dinheiro costuma vir como consequência. Pessoas que amam o dinheiro mais do que seu trabalho passam a vida trabalhando contrariadas e acabam ganhando bem menos do que se tivessem seguido seu coração desde o começo.

A melhor coisa quando se é apaixonado pelo trabalho é que aquilo não é realmente um trabalho; é diversão. Warren sempre disse que adora tanto o que faz que pagaria para ter seu trabalho. Mas ele não precisa ganhar, porque ganha rios de dinheiro fazendo o que adora.

14.

"Você deveria investir como um católico se casa: Para o resto da vida."

Warren sabe que, se você encara uma decisão de investimento da perspectiva de que nunca poderá desfazê-la, com certeza fará o dever de casa antes de se lançar de cabeça. Você não se atiraria a um casamento sem antes fazer sua pesquisa (namorar), discuti-lo com seus conselheiros (os amigos no bar) e pensar longa e profundamente a respeito, não é mesmo? Tampouco deve se atirar a um investimento sem saber muito sobre a empresa e ter certeza que a compreende.

Mas é o fator vitalício que realmente faz dinheiro. Veja este caso: em 1973, Warren investiu US$ 11 milhões na Washington Post Company, e continua casado com esse investimento até hoje. Nesses 33 anos em que foi fiel a ele, seu valor cresceu para US$ 1,5 bilhão. A convicção de manter o rumo pode trazer recompensas celestiais contanto que você tenha escolhido o rumo certo para começo de conversa.

15.

"Só quando a maré baixa é que você descobre quem está nadando nu."

Em momentos turbulentos o que leva o investidor a enfrentar os desafios com tranquilidade e racionalidade é um processo de diversificação adequado.

Não entraremos no mérito que um super exposição em Bolsa seja equivocado mas para nós um investidor iniciante alocar boa parte do patrimônio em ações pode ser um verdadeiro tiro no pé. Isso porque o marinheiro de primeira viagem ainda não foi testado.

Uma das principais virtudes do bom investidor é ter muito auto conhecimento e saber como reage de acordo com os contextos.

Além disso, o investidor deve ter em mente que o amadurecimento dentro deste tipo de investimento vem aos poucos e deve estar intimamente ligado ao percentual alocado em ações.

A dica aqui é que você tenha a humildade e reconheça que não tem o controle sobre os fatos, então a diversificação entre classes é uma bela saída. Além de uma boa diversificação entre tipos de investimentos é interessante ter dentro de cada classe uma carteira montada. No final, o investidor terá algumas carteiras, cada uma de uma classe.

Lembre-se sempre que aqui não estamos em uma corrida de 100 metros e o nosso tipo de investimento é para a vida toda. O amador sempre arruma maneiras de ganhar mais, lucrar mais, e o profissional está sempre vendo maneiras de perder pouco e preservar o capital.

Então, a ordem é ter calma e aguardar. Decisões em meio a turbilhões de emoções costumam dar errado.

16.

"A cada investimento que faz, você deveria ter a convicção de aplicar pelo menos 10% do seu patrimônio líquido naquela ação."

Você alocaria 10% do seu patrimônio total em todos os seus ativos que tem em carteira?

Evidentemente, não é prudente fazer uma alocação deste tamanho dentro do seu patrimônio total mas a ideia aqui é fazer o seu dever de casa.

No mercado de ações é necessário ter uma estratégia muito baseada em estudo, leitura, troca de ideias com outros investidores, presença em reuniões se possível e por aí vai...

A ideia de ser um eterno aprendiz e ter a humildade de reconhecer isso é fundamental.

Procure avaliar com profundidade cada escolha e nunca faça um decisão baseada apenas no que os outros estão fazendo.

As nossas escolhas nos levarão ao sucesso ou ao fracasso. No mercado nós somos os responsáveis pelas perdas e ganhos. Tome a rédea de todas as decisões, na as terceirize!

17.

"Somente compre uma ação que você fique totalmente feliz em retê-la. mesmo que o mercado fique fechado pelos próximos 10 anos."

Em geral, a ideia que se tem sobre a bolsa é algo que você deve acompanhar a todo momento, a todo instante e na realidade não é bem assim. Esse acompanhamento frenético pode até provocar alterações emocionais que levam o investidor a tomar decisões erradas.

O grande trunfo do investidor de longo prazo é conhecer cada empresa que se tem em carteira de perto, estando bem familiarizado com seus balanços financeiros. É evidente que mesmo tendo algum domínio sobre os cases a diversificação também é uma ferramenta fundamental de proteção para o risco não sistêmico.

Vemos muitos investidores eufóricos com a volatilidade frenética da bolsa querendo pegar movimentos enormes e achando que a bolsa vai cooperar. Quando a bolsa não vai na direção que se pensou o investidor acaba muitas vezes ficando amarrado a empresas de baixa qualidade. Para nós, a importância de se comprar um case de qualidade sobretudo, está acima do que pagar um preço bom.

Não se esqueça que o que te remunera são os lucros, logo não leve tranqueira para casa.

18.

"Minha ideia de decisão em grupo é olhar para o espelho."

Warren não é uma pessoa que procure nos outros a afirmação de suas ideias, porque muitas delas são o contrário do que o rebanho está pensando. Para ganhar muito dinheiro no mundo dos investimentos, você precisa aprender a pensar de forma independente; para pensar de forma independente, precisa estar confortável com o isolamento.

Warren tem um histórico de isolamento que remonta ao início de sua carreira como investidor. Ele optou por viver em Omaha, em vez de Nova York, porque ali haveria menos influência de Wall Street. Comprou ações da Berkishire Hathaway quando ninguém as queria; comprou ações da RJR Tobacco quando ninguém mais as queria; comprou ações da GEICO quando ninguém mais as queria; comprou os títulos do Washington Public Power Suppy System (o sistema de suprimento de energia elétrica do noroeste dos Estados Unidos) quando ninguém mais as queria; e comprou os chamados Junk Bonds (papéis de alto risco) quando ninguém mais as queria.

Alguns desses investimentos ele mantém até hoje, outros ele vendeu após mantê-los por alguns anos, mas em cada um deles ele ganhou uma fortuna. Se precisasse do voto de confiança de alguém em Wall Street, teria perdido o bonde em todos esses investimentos.

Ps: Ele é um GÊNIO, então cuidado ao tentar fazer qualquer tipo de imitação ou querer operar como ele. Nesta passagem talvez a grande lição que o mestre Buffett nos ensina esteja representada em uma palavra: TEMPO. Só o tempo pode maturar belos investimentos. 

Fonte: Livro "O Tao de Warren Buffett" - Mary Buffett e David Clark
Read More

terça-feira, 9 de maio de 2017

// // Leave a Comment

O dia em que Luiz Barsi respondeu a minha pergunta. Entenda o setor elétrico.

Quem é que não gostaria de tirar uma dúvida com um dos maiores investidores pessoa física no Brasil?

É isso mesmo. Na Carta n° 29 de Luiz Barsi publicada pela empresa Suno Research o mega investidor responde uma pergunta que fiz.


Barsi já foi a mídia algumas vezes e citou empresas do setor elétrico e em muitos casos falando da atratividade relacionada ao alto pagamento de dividendos que essas empresas fazem.

Com o objetivo de entender mais sobre o setor elétrico, ninguém melhor do que quem entende do setor para responder.

A seguir colocaremos a pergunta e a resposta de Luiz Barsi:

Felipe Tejeda:

O Senhor investe no setor elétrico, o que se deve levar em consideração para analisar uma empresa de energia? E como devo fazer uma comparação entre os pares do setor?

Luiz Barsi: 

O setor de energia elétrica tem diferentes segmentos, ele precisa ser avaliado por três aspectos, temos o segmento de geração, transmissão e distribuição.

Tanto geração quanto transmissão, eles se apresentam como segmentos assim, melhores estruturados, no sentido de se operacionalizar e em termos de se conservar a atividade.

A geração, por exemplo, requer um investimento muito mais expressivo que a transmissão. Na transmissão você teria 1 ou 2 fornecedores, e 3 ou 4 clientes, então a tua operacionalização não é custosa e não precisa estar sistematicamente reinvestindo, pois, uma vez processado o investimento ele será utilizado por muitos anos.

A geração varia em função da fonte energética, se você produzir uma energia termoelétrica, você terá um custo, se produzir uma hidrelétrica terá outro custo, uma eólica é outro e solar também, então, a fonte energética que vai determinar o montante do investimento e o eventual benefício.

No caso do Brasil que sempre foi mais propenso à hidro energia, a hidrelétrica, então os investimentos sempre foram mais expressivos. Em outros países os investimentos em eólicas são expressivos também, mas são bem menores que de uma matriz energética de hidro energia.

E ainda uma das mais caras que existem, são energias produzidas por fontes de aquecimento, termoelétricas, que são geradas por combustíveis e gás.

No caso da distribuição, vamos pegar o exemplo da Eletropaulo, enquanto uma transmissora tem poucos fornecedores e clientes, uma distribuidora tem 300-400 mil, então o custo operacional é muito mais intenso, e há uma tendência de inadimplência muito maior.

Então eu avalio isso, eu sentimentalizo isso, eu procuro na razão direta dos acontecimentos dar uma prioridade nos segmentos de geração e transmissão, não que a distribuição não possa ser vantajosa, em alguns casos a gente percebe que ela chega a ser traumática, por exemplo, no RJ existem muitos “ratos de energia”, aqueles que produzem ligações clandestinas, então a operação além de ser mais custosa e onerosa ela acaba sendo mais sacrificada.

No Nordeste, no Norte, a maioria das distribuidoras hoje pertencem à Eletrobrás justamente porque ninguém quer, ninguém quer ficar com isso daí a inadimplência é muito grande, enfim, não é uma atividade que proporciona resultados satisfatórios.
Read More