Ebook

terça-feira, 7 de março de 2017

// // 6 comments

Como fazer a análise do Fluxo de Caixa Livre Capex: Aprenda sua implementação em 16 empresas listadas em Bolsa


É na Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) que podemos de fato analisar os caminhos por onde o dinheiro circula dentro de uma companhia. Em Artigo recente nós demonstramos como fazer uma avaliação completa, clarificando conceitos como Fluxo de Caixa Operacional (FCO), Fluxo de Caixa de Investimentos (FCI) e Fluxo de Caixa de Financiamento (FCF), além de vários outros conceitos importantes.

Se você está partindo do zero sugerimos que leiam o nosso Artigo sobre Fluxo de Caixa e depois voltem para cá. Isso o ajudará bastante no entendimento deste Artigo.

Para acessar o Artigo basta clicar no link a seguir:

. Fluxo de Caixa: Como fazer uma avaliação completa e melhorar a sua análise de empresas

Mas se você já está familiarizado com os conceitos gerais do Regime de Caixa fique conosco que neste Artigo trataremos de um outro assunto ligado ao Fluxo de Caixa que é o Fluxo de Caixa Livre Capex. Antes de prosseguirmos iremos listar um pequeno índice com os assuntos que iremos abordar.

. Definição de Fluxo de Caixa Livre Capex

. Sua importância

. Como calcular utilizando 16 exemplos (empresas) práticos

. Ranking Top 10 - FCO Capex

. Conclusão


O que é Fluxo de Caixa Livre Capex:

O Fluxo de Caixa Livre corresponde a movimentação vista no Fluxo de Caixa Operacional (FCO) mais os fluxos decorrentes dos gastos com manutenção de capital.

Ele também leva em consideração os investimentos em Capital Circulante para manter o negócio. Entretanto com o intuito de facilitar o processo vamos utilizar uma fórmula simplificada, onde qualquer investidor pode com extrema facilidade fazer o cálculo.
 

Sendo o Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais representado pelas receitas e gastos gerados da industrialização, comercialização ou prestação de serviços da empresa. Tais atividades estão ligadas a um capital bem líquido que circula pela empresa.

Os Gastos com Manutenção de Capital ou Capex correspondem ao caixa utilizado para aquisição de Imobilizado e Intangível da empresa.

Apenas para relembrar rapidamente, no Imobilizado são classificados os bens e direitos de natureza permanente que serão utilizados para a manutenção das atividades normais da empresa, que visa manter o seu funcionamento regular. A empresa não pretende vender os seus bens e direitos, ou seja, não há intenção de transformá-los em dinheiro. Caracterizam-se por se apresentarem na forma tangível (bens corpóreos).

Podem ser enquadrados no Imobilizado, imóveis, terrenos, máquinas e equipamentos, veículos, móveis e utensílios e etc.

Além do Imobilizado teremos também adicionar os Intangíveis. Como ele é negativo teremos uma conta de subtração.

Os Intangíveis são os bens que não podem ser tocados ou vistos, já que são incorpóreos (não tem corpo). Eles possuem valor econômico mas carecem de substância física (material).

São exemplos de Intangíveis: Marcas, patentes, direitos autorais, softwares e outros.

Pode-se dizer de maneira geral que o Capex é igual a Imobilizado + Intangível.


Sua importância

O Fluxo de Caixa Livre Capex é um dos pontos de partida de uma análise fundamentalista de empresas. É a partir dele que temos a capacidade de determinar se a empresa vem gerando caixa suficiente para fazer frente a sua necessidade de investimentos.

Se o Fluxo de Caixa Livre Capex for positivo sinaliza que a empresa está gerando caixa suficiente para fazer frente aos seus investimentos. Quando é negativo exige um pouco mais atenção e sugere algumas perguntas:

. O Fluxo de Caixa Operacional está baixo?

Procure entender os motivos pelo qual o dinheiro não chega ao caixa.

. Altos gastos com imobilizado e/ou intangível?

Procure avaliar a qualidade dos investimentos que a companhia vem empregando capital.

Para entender de maneira simples poderíamos exemplificar da seguinte forma:

Imagine alguém que ganha R$ 2.000,00 por mês e gasta R$ 2.500,00. Essa diferença tem que vir de algum empréstimo, já que ela não ganha mais do que gasta. E se isso perdurar por muito tempo e sair fora de controle essa pessoa pode terminar extremamente endividada e perder seus bens para os credores. Com uma empresa a lógica seria bem parecida.

Agora vamos para parte prática e mais interessante de nosso Artigo que é mostrar como se calcula o Fluxo de Caixa Livre Capex. Iremos mostrar isso utilizando como exemplo 16 companhias listadas em Bolsa, são elas:

1. AES Tietê S.A (TIET11)
2. Ambev S.A. (ABEV3)
3. BM&F Bovespa S.A. (BVMF3)
4. BR Foods (BRFS3)
5. CCR S.A. (CCRO3)
6. Cielo S.A. (CIEL3)
7. Engie S.A. (EGIE3)
8. Grendene S.A. (GRND3)
9. Hypermarcas S.A. (HYPE3)
10. Localiza S.A. (RENT3)
11. M Dias Branco S.A. (MDIA3)
12. Raia Drogasil S.A. (RADL3)
13. Renner S.A. (LREN3)
14. Totvs S.A. (TOTS3)
15. Ultrapar S.A. (UGPA3)
16. WEG S.A. (WEGE3)

Vamos em frente:

Para o cálculo do Fluxo de Caixa Livre Capex teremos que pegar 3 itens, são eles:

1. Caixa Líquido das Atividades Operacionais (FCO)

2. Aquisições de Imobilizado

3. Aquisições de Intangível

Utililizaremos a seguinte fórmula:

Fluxo de Caixa Livre Capex (FCL Capex) = Fluxo de Caixa Operacional (FCO) + Intangível + Imobilizado

Como o Imobilizado e o Intangível são no geral números negativos, teríamos que o FCL Capex = FCO - Imobilizado - Intangível. Desta forma poderemos ter um melhor entendimento. 


1. AES Tietê S.A. (TIET11)
  
Em milhares de reais.

2015:

R$ 668.729 + (R$ 167.729) = R$ 501.000

2016:

R$ 630.440 + (R$ 100.996) = R$ 529.444

2015 + 2016 = R$ 1.030.444

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 25,08%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 16,01%


2. Ambev S.A. (ABEV3)

Em milhões de reais.

2015:

R$ 23.580,9 + (R$ 5.261,2) = R$ 18.319,7

2016:

R$ 12.344,5 + (R$ 4.123,7) = R$ 8.220,8

2015 + 2016 = R$ 26.540,5

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 22,31%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 33,40%


3. Bm&f Bovespa S.A. (BVMF3)

Em milhares de reais.

2015:

R$ 978.593 + (R$ 73.093) + (R$ 154.052) = R$ 751.448

2016:

R$ 7.090.137  + (R$ 45.119) + (R$ 176.246) = (R$ 7.311.502)

2015 + 2016 = (R$ 6.560.054)

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 23,21%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = N° negativo




4. BR Foods S.A. (BRFS3)

Em mil reais.

2015:

R$ 4.133.494 + (R$ 1.296.712) + (R$ 205.416) = R$ 2.631.366

2016:

R$ 1.821.174 + (R$ 1.859.450) + (R$ 62.756) = (R$ 101.032)

2015 + 2016 = R$ 2.530.334

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 36,34%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = N° negativo



5. CCR S.A. (CCRO3)

Em mil reais.

2015:

R$ 2.801.206 + (R$ 370.529) + (R$ 2.372.589) = R$ 58.088

2016:

R$ 4.566.754 + (R$ 348.679) + (R$ 2.777.876) = R$ 1.440.199

2015 + 2016 = R$ 1.498.287

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 97,92%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 68,46%



6. Cielo S.A. (CIEL3)

Em mil reais.

2015:

R$ 2.842.956 + (R$ 8.559.006) = (R$ 5.716.050)

2016:

R$ 5.129.403 + (R$ 526.718) = R$ 4.602.685

2015 + 2016 = (R$ 1.113.365)

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = N° negativo

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 10,26%
 


7. Engie S.A (EGIE3)

Em mil reais.

2015:

R$ 2.578.612 + (R$ 723.996) + (R$ 28.735) = R$ 1.825.881

2016:

R$ 2.524.794 + (R$ 1.166.583) + (R$ 9.000) = R$ 1.349.211

2015 + 2016 = R$ 3.175.092

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 29,19%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 46,56%


8. Grendene S.A. (GRND3)

Em milhares de reais.

2015:

R$ 442.718 + (R$ 66.072) + (R$ 7.153) = R$ 369.493

2016:

R$ 566.471 + (R$ 59.302) + (R$ 12.166) = R$ 495.003

2015 + 2016 = R$ 864.496

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 16,53%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 12,61%



9. Hypermarcas S.A. (HYPE3)

Em milhares de reais.

2015:

R$ 323.962 + (R$ 216.420) + (R$ 40.923) = R$ 66.619

2016:

R$ 881.756 + (R$ 176.864) + (R$ 37.238) = R$ 667.654

2015 + 2016 = (R$ 509,8)

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 79,43%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 24,28%


10. Localiza S.A. (RENT3)

Em milhões de reais.

2015:

R$ 3,4  + (R$ 153,0) = (R$ 156,4)

2016:

R$ 226,8 + (R$ 126,6) = (R$ 353,4)

2015 + 2016 = (R$ 509,8)

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = N° negativo

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = N° negativo



11. M Dias Branco S.A. (MDIA3)

Em milhões de reais.

2015:

R$ 3,4  + (R$ 153,0) = (R$ 156,4)

2016:

R$ 226,8 + (R$ 126,6) = (R$ 353,4)

2015 + 2016 = (R$ 509,8)

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = N° negativo

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = N° negativo


12. Raia Drogasil S.A. (RADL3)

Em milhares de reais.

2015:

R$ 500.655,00 + (R$ 385.022,00) = R$ 115.633,00

2016:

R$ 555.529,00 + (R$ 490.169,00) = R$ 65.360,00
2015 + 2016 = R$ 180.993,00

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 76,90%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 88,23%
 


13. Renner S.A. (LREN3)

Em milhares de reais.

2015:

R$ 771.604 + (R$ 443.819) + (R$ 127.493) = R$ 200.292

2016:

R$ 914.208 + (R$ 340.541) + (R$ 136.653) = R$ 437.014

2015 + 2016 = R$ 637.306

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 74,04%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 52,19%


14. Totvs S.A. (TOTS3)

Em milhares de reais.

2015:

R$ 339.618 + (R$ 53.148) + (R$ 58.110) = R$ 228.360

2016:

R$ 260.508 + (R$ 55.209) + (R$ 49.938) = R$ 155.361

2015 + 2016 = R$ 383.721

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 32,75%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 40,36%


15. Ultrapar S.A. (UGPA3)

Em milhões de reais.

2015:

R$ 3.469,0 + (R$ 1.375,2) = R$ 2.093,8

2016:

R$ 2.485,4 + (R$ 1.685,2) = R$ 800,2

2015 + 2016 = R$ 2.894

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 39,64%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 67,80%


16. WEG S.A. (WEGE3)

Em milhões de reais.

2015:

R$ 490,5 + (R$ 398,5) = R$ 92,0

2016:

R$ 964,2 + (R$ 259,0) = R$ 705,2

2015 + 2016 = R$ 797,2

Imobilizado + Intangível / FCO 2015 = 81,24%

Imobilizado + Intangível / FCO 2016 = 26,86%


TOP 10 Performance anuais Imobilizado + Intangível / FCO

1. Cielo 2016 - 10,26%

2. Grendene 2016 - 12,61%

3. AES Tietê 2016 - 16,01%

4. Grendene 2015 - 16,53%

5. WEG 2016 - 17,01%

6. Ambev 2015 - 22,31%

7. Bm&f Bovespa 2015 - 23,21%

8. Hypermarcas 2016 - 24,28%

9. AES Tietê 2015 - 25,08%

10. M Dias Branco 2016 - 26,86%



Conclusão

Quando falamos em um case que tem uma forte capacidade de geração de caixa e baixa necessidade de investimentos como analisaríamos companhias que têm essas características?

Tentamos extrair essa informação fazendo a seguinte conta:

Investimentos em Imobilizado + Investimentos em Intagíveis / Fluxo de Caixa Operacional (FCO)

Desta forma, procuramos saber o quanto do Fluxo de Caixa Operacional (FCO) é destinado aos investimentos em imobilizado e intangível. Neste indicador quanto menor ele for indica que se está utilizando menos recursos do FCO.

Se você já ouviu que é interessante ser sócio de empresas onde o dinheiro entra na companhia e não sai com facilidade é justamente esse índice que lhe ajudará a fazer esta avaliação.

Mas porque é importante para o investidor olhar com carinho empresas que tem um alto Fluxo de Caixa Livre Capex?

Pois assim você saberá o que sobra depois da companhia fazer os investimentos para manter o seu processo produtivo. Deste montante que sobra (FCL Capex) a companhia poderá destinar os recursos para diversas ações que são interessantes para o acionista como, por exemplo:

. Investimentos no próprio case

. Novas aquisições


. Distribuição de dividendos


. Recompra de ações


. Pagamento de dívida


Vamos ficando por aqui e espero que esse brainstorm tenha sido positivo para o seu crescimento na arte de avaliar empresas.

Se você gostou do Artigo dê um feedback, critique e comente para que nós possamos cada vez mais melhorar o nosso conteúdo e contribuir de forma ativa com informações úteis para você investidor.

Um grande abraço e até breve.

Se você está partindo do zero sugerimos que leiam o nosso Artigo sobre Fluxo de Caixa, abordando conceitos importantes como o Fluxo de Caixa Operacional (FCO), Fluxo de Caixa de Investimentos (FCI) e Fluxo de Caixa de Financiamento (FCF)

Para acessar o Artigo basta clicar no link a seguir:

. Fluxo de Caixa: Como fazer uma avaliação completa e melhorar a sua análise de empresas

6 comentários:

  1. Excelente, artigo, Felipe. As melhores empresas para ser sócio, sem dúvida, são as fortes geradoras de caixa.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Leo Geyer! Concordo. O acompanhamento dos Fluxos de Caixa são muito importantes, pois assim você entende o momento da empresa e consegue avaliar como gerenciam os recursos. Além de fortes geradoras de caixa as companhias boas para ser sócio são bastante rigorosas na gestão como um todo, sobrevivendo bem em momentos de forte crise como estamos atravessando.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela aula, dei uma olhada em outros artigos e está bem legal.

    Será que escolher empresas que você quer avaliar e fazer uma evolução do Fluxo de Caixa Livre Capex e o retorno para o acionista, talvez pela cotação, seria um bom estudo?

    ResponderExcluir
  4. Olá Rafael! Obrigado pelo comentário!

    Estudar a parte do regime de caixa é fundamental para avaliar se a companhia possui valor e como o dinheiro de fato gira dentro da empresa. Agora, isso em nada tem a ver com as cotações. Para se avaliar o valor de uma empresa a cotação não reserva informações importantes. Muito pelo contrário, se você avaliar uma empresa pela rentabilidade/cotação poderá estar dando um verdadeiro tiro no pé.

    Se você quiser avaliar o retorno de uma empresa você pode fazer uma avaliação da margem líquida, ou seja, quanto da receita está se transformando em lucro. Caso essa margem aumente quer dizer que a empresa está ganhando produtividade, assim com a mesma base de ativos ela consegue gerar mais lucro. Por exemplo, se você analisar o balanço da M Dias Branco nos últimos 4 trimestres ela vem aumentando as margens, ganhando produtividade e talvez não por acaso o valor de suas ações tenham crescido substancialmente.

    Para finalizar, creio que você possa fazer uma avaliação do regime de caixa, estudando os fluxos de caixa e naturalmente o fluxo de caixa livre capex e fazer um cruzamento com a produtividade que é representada pelas margens. Mas jamais inclua na análise as cotações, pois novamente elas não reservam informações relevantes para o sócio/acionista.

    Espero ter ajudado! Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Quais são os pontos negativos (desvantagens) do Fluxo de Caixa Livre?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde, gostaria de solicitar um artigo semelhante à este para análise da dívida de empresas! Este artigo foi excelente e me ajudou muito. Obrigado!

    ResponderExcluir