Análise Fundamentalista: Empresa Grendene S.A. (GRND3) – 1° trimestre 2016

Vamos começar a análise fundamentalista da Grendene S.A. discorrendo os principais destaques do período:

– Queda de 10,5% na Receita Líquida.

– Queda de 26,4% no Ebit totalizando R$ 82,3 milhões.

– Aumento de 4,2% no Lucro Líquido atingindo R$ 143,6 milhões.

– Manutenção da Margem Bruta, melhora na Margem Líquida e queda nas Margens Ebit e Ebitda.

– Liderança na exportação de calçados brasileiros pelo 14° ano consecutivo – 35% dos pares de calçados brasileiros exportados no 1T16 contra 39,2% no 1T15.

No subsolo da famosa Galeries Lafayette, em Paris, a marca Ipanema tem um ponto de venda.

A Companhia trabalha em cima de metas operacionais, onde divulgaram para o Mercado uma projeção de crescimento (CAGR – taxa composta de crescimento anual) entre o período de 2008 a 2018. Miram um crescimento da Receita Bruta entre 8% e 12% (CAGR) e até agora entregaram crescimento de 6,9%. Já para o Lucro Líquido colocaram uma projeção de crescimento entre 12% e 15% (CAGR) e o resultado visto até o momento presente foi de 17%. Embora estejamos passando por um momento muito difícil com aumento das taxas de desemprego e de caos político a Companhia continuará perseguindo tais metas operacionais. Caracterizada por ser uma Empresa bastante transparente em suas divulgações de resultados e expectativas, a Grendene colocou um sinal amarelo quantos aos números de crescimento esperados. Assim, se posicionaram dizendo que o risco de realização ou não das expectativas aumentam, já que a capacidade de prever os resultados é menor. Além disso, acreditam que muito provavelmente os volumes para esse ano serão menores, ganhar market share será um desafio e os resultados das exportações dependerão da taxa de câmbio.

Falando um pouco da influência da taxa de câmbio nos resultados da varejista de calçados. O Dólar mais apreciado ante o real beneficia as exportações especialmente no 1° trimestre quando o % da Receita de exportação sempre é maior como proporção da Receita total. Neste trimestre o % da receita de exportação sobre a receita total foi de 32,8% contra 26,2% no 1T15. Isso em decorrência da sazonalidade natural do negócio. A Grendene é lucrativa com um dólar a R$ 3,50 mas serão ainda mais se essa taxa ultrapassar os R$ 4,00 novamente, especialmente no 4° trimestre quando o volume de exportações é mais elevado.

Na foto, a Galeria Melissa inaugurada em outubro de 2014 e localizada em Londres no bairro Covent Garden. O espaço é o maior da marca Melissa levando em conta todas as suas lojas fora do Brasil.
Ainda na Galeria Melissa em Londres, a loja possui dois andares com quase 400 m² e tem sua parte interna marcada pelo design clean.

A Companhia apresentou queda no volume de pares vendidos de 25,3% no 1° trimestre de 2016 refletindo a forte retração da demanda no setor de calçados em relação ao mesmo período do ano anterior. Não se tem ainda a divulgação dos dados oficiais mas Grendene estima que o consumo de calçados no Brasil tenha caído cerca de 12% quando comparado com o mesmo período do ano anterior, ultrapassando em muito a expectativa da Empresa. A se confirmarem estes números a varejista de calçados acredita que perderam market share no consumo total de calçados no Brasil. No Brasil a queda de volume foi de 30,8%, passando de 34,3 milhões de pares para 23,7 milhões de pares. Já no mercado externo a queda foi de 10,1% ou de 12,4 milhões de pares para 11,2 milhões de pares. O que amenizou um pouco esta drástica diminuição de volumes foi o aumento do preço médio dos calçados em reais de 16,9% no Brasil e de 24% no exterior (note que em US$ o valor médio dos calçados caiu 9,2%). Isso gerou um aumento do preço médio dos calçados de 19% se juntarmos o mercado interno com o externo. A Grendene comunicou que observaram queda de volumes em todas as regiões geográficas que atuam. Além disso, na avaliação deles os calçados esportivos e de luxo que a Companhia não fabrica sofreram menos o impacto da retração do que os calçados mais populares como as sandálias e chinelos os quais compõem o portfólio de produtos da Empresa.

Partes interna e externa da loja conceito da marca Ipanema. Está localizada na Rua Garcia D’avila em Ipanema, Rio de Janeiro.

Por fim, vamos fazer alguns comentários sobre a aparência geral dos resultados. A Grendene tem como característica ser uma Empresa bastante conservadora em sua gestão financeira, além de serem grandes distribuidores de dividendos. Podemos notar que o desempenho da economia doméstica e a recuperação gradual do cenário externo impactou brutalmente os volumes vendidos. Mesmo assim, vimos um crescimento de 4,2% no Lucro Líquido. Isso ocorreu pela sua grande robustez financeira chegando ao final do 1° trimestre com um caixa líquido de R$ 1,4 bilhão, variação positiva de 29,8% em relação aos R$ 1,1 bilhão em 31/12/2015. Assim, temos um case mais defensivo que embora esteja passando por um momento dificílimo de vendas tem um forte resultado financeiro. Isso vem protegendo a última linha do balanço. No 1T16 o resultado financeiro líquido foi positivo em R$ 74,4 milhões, 94,9% superior ao obtido no 1T15. Evidentemente, temos que acompanhar os resultados da operação em si medida pelo Ebit, já que são excluídos os efeitos financeiros. Em decorrência da queda de volumes o Ebit recorrente apresentou queda de 19,9% (passando de R$ 111,9 milhões para R$ 89,6 milhões) e a margem caiu de 21% no 1° trimestre de 2015 para 18,8% no 1° trimestre de 2016. A Grendene crê que para analisar a gestão operacional da Companhia é mais prudente utilizar o Ebit em detrimento do Ebitda. O negócio da Companhia exige baixa intensidade de capital sendo a depreciação em torno de 2% da Receita Líquida (2,5% no 1T15 e 2,4% no 1T16) e a Empresa regularmente investe um valor equivalente à depreciação para manter sua capacidade de produção atualizada. Além disso, eles mantém caixa líquido positivo e não tem encargos financeiros que devem ser pagos com os recursos oriundos da operação.

Uma das 6 unidades fabris da Grendene localizada em Farroupilha – RS. As outras plantas fabris estão localizadas em Carlos Barbosa – RS, Fortaleza – CE, Sobral – CE, Crato – CE e Teixeira de Freitas – BA. Crédito: divulgação Grendene.

 

1 comentário


  1. A Grendene é uma empresa tipo "reloginho". Todos os mecanismos funcionam adequadamente e regrados: a parte operacional apresentou queda devido à crise, logo eles compensaram, aumentando lucro, com a Receita Financeira. Em uma análise rápida, percebi que o Resultado Financeiro contribuiu com mais de 50% do Lucro da empresa em detrimento da parte operacional. Questionei esse fato no RI, que prontamente me foi respondido que estão ciente dessa situação, mas que esse cenário só foi possível (Muito Caixa) graças ao operacional robusto construído ao longo do tempo. No mais, excelente análise que vocês fizeram, tocando os principais pontos que merecem atenção.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *